fonte: Unibanco S/A
Inflação e juros
A inflação foi elemento de destaque no mês do carnaval. Depois da elevação em janeiro, devido, em grande parte, aos seguidos aumentos no preço do álcool combustível, registrou-se forte queda em fevereiro, conforme previsto pelo mercado. O IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), por exemplo, ficou em 0,01% no mês passado, contra 0,92% em janeiro. Ou seja, ainda abaixo do 0,11% projetado pelos analistas. Já o Índice de Preços no Atacado (IPA) do IGP-M registrou deflação de 0,06%, contra 1,10% em janeiro, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor ficou em 0,11%, bem abaixo do 0,70% do mês anterior.
Essa queda acentuada na inflação permitiu ao Banco Central (BC) cortar a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 7 e 8 de março – em 2006 os encontros do Copom são realizados a cada 45 dias, e não mais mensalmente, como nos anos anteriores. No último encontro, a Selic foi reduzida de 17,25% para 16,50% ao ano, podendo encerrar 2006 com uma taxa de 14,25%.
Esta nova redução nos juros ajudará a consolidar um cenário positivo para a economia brasileira. Isto porque os indicadores econômicos refletiram uma retomada nos investimentos e na construção civil e o crescimento no consumo das famílias neste início de ano. Projeções apontam para um crescimento de aproximadamente 4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2006.


Crescimento estacionado na Bolsa
As boas perspectivas da economia para os próximos meses fizeram com que os analistas revissem suas previsões para o fechamento do Ibovespa – o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo – no final do ano de 40 mil pontos para 42 mil pontos. Em fevereiro, depois de subir fortemente no início do ano, o Ibovespa estacionou perto dos 39 mil pontos, fechando o mês com 38.610 pontos e alta de 0,6%.
A valorização do real em relação ao dólar tem ajudado a manter a inflação baixa. Algumas medidas tomadas pelo Governo, como a recompra de títulos da dívida externa, anunciada pelo Banco Central, e a isenção de Imposto de Renda para investidores estrangeiros que comprarem títulos públicos brasileiros, fortaleceram ainda mais o real. A previsão é de que o dólar possa continuar sendo negociado por volta de R$ 2,10 nos próximos meses. Em fevereiro, a moeda americana teve desvalorização de 3,6%, terminando o mês cotada a R$ 2,13.
Reflexo positivo no exterior
Em janeiro, mesmo com o dólar baixo, a balança comercial apresentou ótimo desempenho, com saldo de US$ 2,8 bilhões, superando o resultado de janeiro de 2005, quando o superávit ficou em US$ 2,2 bilhões. O Global 40, o título mais negociado da dívida externa brasileira, reflete o bom momento da economia nacional e estava sendo negociado a 132,98% do valor de face no período que antecedia o carnaval. E o Risco Brasil, mais um no grupo dos indicadores favoráveis, pode continuar com a trajetória de queda. No dia 24 de fevereiro, fechou em 221 pontos.
No mercado internacional as notícias também são boas. A economia americana continua crescendo, sem, no entanto, ser pressionada pela inflação. A expectativa é de que o Federal Reserve (FED) – o Banco Central americano – encerre o ciclo de alta dos juros com mais dois aumentos de 0,25 ponto percentual nos próximos meses.
Na Ásia, o Japão confirma a recuperação, com um crescimento de 5,5% no quarto trimestre (anualizado), mostrando que saiu definitivamente da crise em que mergulhou por vários anos. Apenas a Europa, especialmente a Zona do Euro, é que continua em ritmo lento, crescendo apenas cerca de 2% em 2005 e ainda ameaçada pela inflação e discutindo eventual nova elevação na taxa de juros. O crescimento de 9,1% registrado pela Argentina em 2005 também não chega a empolgar os analistas. O comportamento é visto com preocupação, pois há quem ache que ele pode comprometer a economia do país a médio prazo.

Deja un comentario

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

clear formSubmit