Perspectivas Econômicas 2006

fonte: Unibanco S/A
Inflação e juros
A inflação foi elemento de destaque no mês do carnaval. Depois da elevação em janeiro, devido, em grande parte, aos seguidos aumentos no preço do álcool combustível, registrou-se forte queda em fevereiro, conforme previsto pelo mercado. O IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), por exemplo, ficou em 0,01% no mês passado, contra 0,92% em janeiro. Ou seja, ainda abaixo do 0,11% projetado pelos analistas. Já o Índice de Preços no Atacado (IPA) do IGP-M registrou deflação de 0,06%, contra 1,10% em janeiro, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor ficou em 0,11%, bem abaixo do 0,70% do mês anterior.
Essa queda acentuada na inflação permitiu ao Banco Central (BC) cortar a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 7 e 8 de março – em 2006 os encontros do Copom são realizados a cada 45 dias, e não mais mensalmente, como nos anos anteriores. No último encontro, a Selic foi reduzida de 17,25% para 16,50% ao ano, podendo encerrar 2006 com uma taxa de 14,25%.
Esta nova redução nos juros ajudará a consolidar um cenário positivo para a economia brasileira. Isto porque os indicadores econômicos refletiram uma retomada nos investimentos e na construção civil e o crescimento no consumo das famílias neste início de ano. Projeções apontam para um crescimento de aproximadamente 4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2006.

Details

Gestão por Resultados

Em uma cidade do interior, viviam duas mulheres que tinham o mesmo nome: Flávia. Uma era freira e a outra, taxista. Quis o destino que morressem no mesmo dia. Quando chegaram ao céu, São Pedro esperava-as. – O teu nome? – Flávia – A freira? – Não, a taxista. São Pedro consulta as suas notas…

Details