Caros amigos,
Estou em Madri para acompanhar em primeira mão o nascimento de um dos projetos mais inovadores e surpreendentes no âmbito mundial da educação superior. Parece até um pouco estranho o que vou relatar aqui, mas asseguro que isso faz parte de um projeto real, em pleno processo de implementação, com fundos e apoios institucionais diversos.
Histórico
Trata-se do projeto IE Higher Education que explico a seguir. O IE Business School surgiu de uma escola de negócios espanhola chamada Instituto de Empresa, criada em 1973 por Diego de Alcázar, banqueiro que ainda jovem decidiu mudar completamente o rumo de sua vida ao se dedicar a criar uma grande escola de negócios na Espanha. Embora não seja muito conhecido no Brasil, hoje o IE Business School é considerado uma das 10 melhores escolas de negócios do mundo por rankings como Financial Times, The Economist ou Forbes.
A escola se destaca principalmente por sua total independência política, econômica e religiosa e por sua forte dedicação ao mundo prático dos negócios, com claro foco em empreendedorismo aplicado. Além do mais, a escola traz propositadamente um forte elemento de diversidade às aulas, nas suas mais diversas formas: gênero, cor, origem geográfica, orientação sexual, histórias de vida, crenças religiosas, background acadêmico, entre outras. Isso faz com que pessoas de mais de 75 nacionalidades venham ao IE todo ano e que professores de mais de 30 países participem dos programas. Este ponto é importante porque permite que os alunos desenvolvam uma capacidade de análise mais completa e vislumbrem hoje as problemáticas de uma globalização extrema que se aproxima. Três pontos completam a visão do IE na formação em business: 1) a utilização e desenvolvimento de habilidades humanas (soft skills) como catalisadoras na formação de futuros líderes; 2) uma visão humanista clássica sobre o futuro do mundo pela valorização das artes humanas e 3) uma visão ampla (“responsável”) do impacto geral da presença do homem sobre a superfície terrestre. Por último, mas não menos importante, tenho que destacar a dedicação do IE ao desenvolvimento de uma plataforma própria de e-learning que coloca o IE como a segunda melhor escola de negócios do mundo em educação à distância pelo primeiro grande ranking de educação de negócios à distancia editado pelo Financial Times em 2008.
Universidade IE
Pois bem, com base nesta história de sucesso, em 2007 o IE adquiriu uma pequena e bonita Universidade na cidade de Segóvia, próxima a Madri, com o objetivo de iniciar um novo processo de expansão, desta vez bem mais ousada. Pela primeira vez que uma escola de negócios adquire uma Universidade. Dizem que a cifra do negócio foi de aproximadamente 100 milhoes de euros. O campus, para ser ter uma idéia, está instalado num monastério do século XII e neste momento, após meses de reformas, conta com a mais alta tecnologia de informática e ensino.
pqIEUniv1.jpg
Tal como tem feito nos últimos anos com seus inovadores programas de business (obs: não estou qualificando os cursos do IE de inovadores por querer puxar o saco do IE, basta analisar o conteúdo acadêmico e prático dos programas e comparar este conteúdo com o de outras grandes escolas mundiais para perceber isso), o IE decide agora inovar tanto nos cursos de graduação como nos cursos de pós-graduação de área de conhecimento tão dispares como Arqueologia, Arquitetura, Jornalismo, Psicologia, Direito, Comunicação, etc. Ainda não estou autorizado a contar os cursos que sairão nos próximos anos mas vocês verão que alguns nem sequer foram imaginados pela academia contemporânea. O objetivo é estar na frente em todas as áreas de conhecimento, sempre mesclando o ensino de humanidades (arte, história, sociologia, filosofia, etc) com management (business) e desenvolvimento de soft skills.
pqIEUniv5.jpg
Este conceito está baseado na visão de Humboldt sobre a ciência no século XVIII. Humboldt era um cientista que sempre buscava analisar fenômenos científicos de uma maneira multifocal, com o auxílio de várias áreas do conhecimento. Pode até parecer estranho (eu avisei no início), mas embora as escolas (faculdades) continuem existindo divididas em áreas de conhecimento, o quadro de professores e as pesquisas realizadas na Universidade IE serão feitas de maneira unificada, coordenada e colaborativa. Por exemplo, um professor de Arquitetura será estimulado a trabalhar com professores da escola de comunicação, jornalismo, arqueologia ou psicologia, por exemplo. O conhecimento não será disperso, será unificado e multifocado. A concentração da pesquisa acadêmica terá foco prático e não será feita de forma que se ignore o que tem sido feito em outras áreas. Obviamente será um gigante desafio conseguir fazer isso, mas os professores contratados pela nova Universidade têm comprado muito bem a idéia. Mais do que isso, reitores de outras grandes universidade mundiais têm apoiado o IE e invejam o fato de estarmos realizando este passo já sonhado por tanto pesquisadores.
Para estar apta a desenhar programas tão inovadores de maneira rápida, atingindo múltiplas áreas do conhecimento o fluxo de informação entre os stakeholders desta universidade deve ser muito direto e permeável, sem barreiras de hierarquia travando tomadas de decisões e resultados. Isso vai permitir novas combinações de conhecimento que atualmente poucas universidades serão capazes de replicar. A mescla de conhecimentos de business, soft skill e arte, mesclados com outras áreas de conhecimento gerarão profissionais muito mais bem preparados para o mundo que se avizinha.
Sei que é difícil imaginar, mas tentemos pensar que um aluno de arquitetura, por exemplo, poderá e será estimulado a usar a opinião de um professor de biologia, psicologia ou jornalismo sobre o fato de um edifício ser da maneira A, B, ou C. O professor biólogo africano vai contribuir com algo de perspicaz e útil, tal como a aluna de arqueologia russa, o jornalista judeu equatoriano e o professor de direito homossexual. Todos com uma visão prática de suas profissões. Embora o embasamento técnico deste aluno de arquitetura deva ser exemplar, os projetos que ele gerará serão inovadores, holísticos, responsáveis e humanos, além de contar com uma visão de negócios bastante completa. E tudo isso em inglês, na Espanha!
pqIEUniv3.jpg
O projeto está no início. Este ano começam os cursos de comunicação e arquitetura já no formato inovador IE e em inglês, em 2009 começarão os cursos de Direito e Administração. Veremos juntos onde isso vai parar.
com orgulho,
Newton Campos
International MBA 2001

Comments are closed.